sábado, 15 de novembro de 2014

O que posso Compor



Sempre fui movido
Imagem retirada: www.servosdedeus.com.br
Por tudo que fosse ilimitado
Sempre busquei
O que nunca tive
O que me faltava
E nunca encontrei

Vivi atrás de uma sombra
Pra descansar meus vãos
E afogar meus desesperos
Para um dia quem sabe respirar

Inventei noites de inverno
Entre folhas e azuis
Criei, compus, morri e sobrevivi
Fiz da minha vida um refrão discreto

Olho pra trás e não encontro
O que enxergo, hoje, dentro de mim
Só encontrei pedaços do engano
Que foram se expelindo pelo chão

O tempo é incerto
No instante tudo é escuridão
E num contratempo
A Tua luz rasga meu horizonte

E eu que não tive
Hoje sei o quanto Você me fez falta
E a saudade quem me consumia
Era do Teu amor

Vivo a mercê da Tua Presença
Pra curar meus nãos
E desafogar a esperança
Da terna felicidade de Te encontrar

Agora as noites são eternas conversas
Entre o Senhor e eu
O céu e o chão, O Pai e o filho
A melhor canção que posso compor

Quando quis o que me faltava
Descobri que faltava mais Você
Quando busquei o ilimitado
Encontrei o Teu amor
Quando o Senhor me encontrou
Passei a ter o que nunca esperei ter

Olho pra frente
E enxergo Cristo no fim
Trazendo vida aos passos
Que nunca soube dar

O tempo é certo
Em que não haverá escuridão
Nem saudade 
Do Senhor que nos salvou

terça-feira, 28 de outubro de 2014

A Graça que me faltava



Não há vontade
Nem direção
Que assegure o futuro
Que está por vir

Não há passado
Nem prisão
Que perdure até o fim
Que está por um triz

Pode o mundo
Ser maior que a Tua Palavra?
Pode a escuridão
Suportar o esplendor da Verdade?

Nada que é
Será tão grandioso quanto Tu
Nada que sou
Pode demonstrar tudo que és pra mim

Seja exaltado
Dentro do meu ser
Seja a Tua Palavra
A raiz de tudo que serei

És meu Senhor
A certeza que eu precisava
És meu Salvador
A Graça que me faltava

Aleluia! Aleluia!
Ao Santo
Aleluias
Jesus, Aleluia

Teu amor me Salvou
Teu Amor me tomou
Aleluia! Aleluia

Naquela Cruz

Ele me resgatou

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O Templo


Imagem Retirada do Blog:
http://jonatas-alberto.blogspot.com.br/2012/08/templo-do-espirito-santo.html

Qual é o tempo?
Onde está a casa?
Que céu toca o chão?
Que templo Te espera?

Mas e se o tempo só for mais um passo
E a casa estiver dentro de um abraço
E todo joelho fizer descer o maior dos céus
Mas e se o templo for só mais um coração

Como um rei reinará
Estando à margem do templo
Que reino se achegará
Se nos ouvidos não se tem o som das trombetas

Talvez seja a hora de voltar
Fazer da casa o templo
Do coração o trono
Da voz a Tua trombeta

E verei o Meu Rei chegar
Com Teu reino
E assentar no Teu Trono
E tornar o Teu amanhã
O meu tempo

terça-feira, 24 de junho de 2014

Enfim Poesia




O que há em mim
Que não consigo entender
Porque sou eu
E me deixo ser você
 
Se o caminho nunca é um só
Se os passos não dão nó
Então porque talvez
Parece mais um sim sem voz
 
Será que hoje
Ainda é ontem
Será o fim
Um disfarce do amor
 
Qual é a Tua parte em mim
Quais caminhos meus você já andou
Qual tarde é cedo demais
Que mistério não se decifrou
 
Os olhos que me vem
Vão buscar outros horizontes
E eu nunca vou com eles
Sempre esperei que fossem voltar
 
E a esperança não me deixa ser
Me aprisiona, me segue, me leva
À luz que se esconde
Nas escuridões
 
Deixa o fim
Ser o enfim dessas solidões
Que aceleram as recaídas
Da chuva pelo chão
 
Se a vida é uma só
Mesmo sendo mais em nós
Então me diz
Porque o tempo não passou em mim
 
Será que essa exatidão
Nas frases que me escrevem
São mais que versos?
Talvez sejam os pedaços que deixei pelo chão
 
Qual a Tua parte enfim
Qual refrão meu você não escutou
Qual será a próxima rima
Que Deus guardou no silêncio
 
Os olhos que me veem
Tentam encontrar uma fonte
Que nunca soube explicar
Sempre aguardei o silêncio se tornar
Enfim poesia.